quarta-feira, 21 de outubro de 2009

A queda!

Talvez, uma das coisas mais certas a que o Bicho-homem esteja sujeito é o TOMBO.
Pode ter certeza, se não cai enquanto grande, já caiu quando pequeno. E é fato, todo mundo vai cair um dia. Seja passeando na rua ou jogando futebol. Seja tomando banho, andando de bicicleta ou mascando chicletes. E, nesses tombos da vida, vamos agregando a nossa história pessoal, arranhões, fraturas, hematomas, luxações e cicatrizes (algumas das quais nos acompanharão pelo resto de nossas vidas).
No caso das cicatrizes, uma coisa não muda: você sempre vai ter uma na perna – provavelmente por que chutou algo que não devia ou tropicou em algo que estava no lugar errado na hora errada. Eu tenho uma na canela: Chutei a trave de madeira ao invés da bola em uma partida de futebol (isso exemplifica a minha habilidade em campo).



Esta semana, ao descer a escadaria da casa de minha sogra, lembrei da sensação deliciosa de cair. Escorreguei em um degrau e só fui parar uns três degraus abaixo.
Minha sogra, que acompanhou o tombo, me viu descer de bunda a escada aos berros:

- Cuidado! Cuidado! Ai meu Deus do céu!

Levar um tombo ao som de gritos não é nada agradável. Muda a intensidade da coisa:
Um tropicão e um simples tombo viram uma rasteira no beiral de um precipício.
E, pra quem cai, a sensação é de queda infindável. O tombo todo deve ter levado uns 2 segundos, mas, os gritos de minha sogra, me fizeram crer que não iria parar até que minha bunda não existisse mais.



Ao levantar, constatei alguns arranhões nas nádegas, nos dedos, no braço e uma forte dor no Cóquis, ou, o osso da bunda. Esta dor tem me perseguido desde então.
Seja no levantar, no sentar, no abaixar, lá está ela – ou melhor, aqui esta ela -, presente e viva como uma espécie de trauma. Agora, ao descer uma escada –qualquer que seja- rezo três “pais-nossos” e Duas “ave-marias” antes e desço a escada quase que como se estivesse pagando uma promessa de joelhos: Bem devagarzinho.


Bom, mas o melhor de tudo isso é saber tirar proveito da queda. Saber que ela veio pra me ensinar alguma coisa. O que aprendi com a queda?
Que devo prestar mais atenção nas coisas, que devo ter menos pressa, e que dor no osso da bunda dói pra caralho! ( Não sei, deve doer para o caralho também, mas aí já é outro assunto, e só sei dizer que eu sou o CARALHO para essa dor, capite?)....

Deixo vocês com uma sessão de tombos....


/

...Por que todo mundo Cai...

2 comentários:

Anônimo disse...

eiiii...já cai um tombo parecido com esse,mas o meu foi do primeiro degrau de uma escada com 15 degaus, fui parar la no ultimo....doeu pra xuxu....morri de tanto rir..kkkkkkk.

luana disse...

"...me fizeram crer que não iria parar até que minha bunda não existisse mais."

Eu ri Alto. Tbm, pudera, são sete da manhã!

abraços :*

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Um Camaleão dentro de um Aquário...Ou, numa linguagem mais Denotativa, alguém que Vive uma flexível versão de Si mesmo. Não morreria por quem sou agora, mas, talvez, por quem poderia vir a ser amanhã... Dentro do Aquário, quer dizer que estou dentro da VIDA....Quer dizer que VIVO! E este Blogue, nasceu com o único propósito de Descarregar algumas das minhas Ilusões, dos pensamentos, dos contos que Pairam pela minha Mente, das coisas que já fiz...Enfinx, é uma mistura de Diário da vida com Um diário de uma imaginação...